16 de out de 2017

mistério, segredo e muito mais


            Sobre meu braço esquerdo, sua cabeça (leve, não obstante a impressão de peso e de volume); seu braço direito sob minha axila. A persistente e hábil pressão, em minha língua, de seus dentes grandes e espaçados. A planta do meu pé esquerdo brandamente pousada sobre o dorso do seu pé direito. Ingratidão é o prêmio do mundo – dizem em alguma parte os cantores. Mas eu sou grata, eu sou grata, não na boca, e sim em toda a minha carne, a tudo o que purgo para chegar a este minuto, à intensidade com que responde meu corpo à aproximação do corpo deste homem, à força com que meus quadris o arrastam para mim, ao modo como nos povoam o bosque e a fauna ligeira do tapete, à cega ânsia com que nos abraçamos, à temperatura desta hora, que me permite ostentar minha nudez e embeber-me na sua como se os meus olhos fossem bocas e eu morresse de sede, e vê-lo desnudo me dessedentasse e intensificasse a minha sede. Também sou grata ao surdo e polido fulgor de nossos corpos. Ele me olha em silêncio, olha-me de perto (o azul estriado de ouro dos seus olhos) e sua mão esquerda, descendo pelo ventre, toca-me a parte interna das coxas. Eu abro as narinas, eu abro os poros, eu abro a garganta, eu abro as artérias, eu abro um espaço, eu abro passagem, eu abro as alas, eu abro as asas, eu abro uma fruta, eu abro uma lucarna, eu abro as janelas, eu abro um portão, eu abro uma rua, eu abro uma clareira, eu abro uma vereda, eu abro uma estrada, eu abro uma fenda, eu abro uma vala, um sulco, uma cova, um rego, uma frincha, uma brecha, as pernas, abro as pernas, as coxas, os pés, os joelhos, abro o sexo e ele invade a minha carne. Lanço um grito de júbilo.


Osman Lins, Avalovara, p. 209-210

3 de jul de 2017

quebrar o brinquedo é mais brincar

Parece-me que deveríamos apenas ler livros que nos mordam e espicacem. Se a obra que lemos não nos desperta como um murro sobre o crânio, qual a vantagem de a ler? Para que nos torne felizes? Meu deus, seríamos da mesma forma felizes se não tivéssemos livros. E os livros que nos deixam felizes, a rigor, poderíamos escrevê-los nós mesmos. Em contrapartida, precisamos de livros que sobre nós atuem de modo igual a uma desgraça; que nos façam sofrer muito, como a morte de quem amássemos mais do que a nós mesmos; como um suicídio. Um livro deve ser o machado que rompe o mar gelado existente em cada um de nós.

Franz Kafka

24 de jun de 2017

pétala de fina flor

dialética amorosa

nada como uma briga depois da outra
assim panelas e palavras voam pela cozinha
copos misteriosamente somem do armário
e os rostos se franzem e vizinhos espiam
e abaixam o volume da tv pra poderem ouvir melhor
e fulano é isso e sicrano aquilo e a rua fica muda e respira silenciosamente enquanto portas batem bruscamente
e tudo fica escuro e respira-se fundo muito fundo
pra q se possa deixar ânimo e amor pras próximas brigas
q virão feito seriado feito novela feito os domingos desperdiçados ao lado de sorrisos nada felizes no almoço
o amor é belo e feroz feito a grama verde do vizinho q se separou ainda ontem da esposa

Sérgio Villa Matta

7 de mai de 2017

espichada na tela

Natureza morta

Os livros são dorsos de estantes distantes quebradas.
Estou dependurada na parede feita um quadro.
Ninguém me segurou pelos cabelos.
Puseram um prego em meu coração para que eu não me mova
Espetaram, hein? a ave na parede
Mas conservaram meus olhos
É verdade que eles estão parados,
Como os meus dedos na mesma frase.
Espicharam-se em coágulos azuis.
Que monótono o mar!
Os meus pés não dão mais um passo.
O meu sangue chorando,
As crianças gritando,
Os homens morrendo,
O tempo andando,
As luzes fulgindo,
As casas subindo,
O dinheiro circulando,
O dinheiro caindo.
Os namorados passando, passeando,
O lixo aumentando,
Que monótono o mar!

Procurei acender de novo o cigarro.
Por que o poeta não morre?
Por que o coração engorda?
Por que as crianças crescem?
Por que este mar idiota não cobre o telhado das casas?
Por que existem telhados e avenidas?
Por que se escrevem cartas e existe o jornal?
Que monótono o mar!
Estou espichada na tela como um monte de frutas apodrecendo.
Se eu ainda tivesse unhas
Enterraria os meus dedos nesse espaço branco.
Vertem os meus olhos uma fumaça salgada,
Estou com tanto frio, e não tenho ninguém...
Nem a presença dos corvos.

Patrícia Galvão (publicado com o pseudônimo de Solange Sohl)

26 de abr de 2017

as extinções as feridas os prazeres

O livro rosa do coração dos trouxas

I.
eu quando corto relações
corto relações.
não tem essa de
briga de torcida
todos os
sábados.
é a extinção do estádio.
vejo as forças
que atuam, a tesoura,
o papel,
a vontade de cortar.
tudo é provocação?
então embrulha
tua taquicardia
num sorvete de amêndoas,
reza que derreta.
quando lembro do
corte revivo a
ferida.
melhor não.
o corte é definitivo,
a dor retorna em forma
de milão madri
ou liverpool
quando convocada.
ricardo
lembra do teu passado
só se te dá
prazer.

[...]

Angélica Freitas, em Um útero é do tamanho de um punho


11 de abr de 2017

necessário descansar

Canção

O peso do mundo
            é o amor.
Sob o fardo
            da solidão,
sob o fardo
            da insatisfação

            o peso
o peso que carregamos
            é o amor.

Quem poderia negá-lo?
            Em sonhos
nos toca
            o corpo,
em pensamentos
            constrói
um milagre,
            na imaginação
aflige-se
            até tornar-se
humano –

sai para fora do coração
            ardendo de pureza –
pois o fardo da vida
            é o amor,

mas nós carregamos o peso
            cansados
e assim temos que descansar
nos braços do amor
            finalmente
temos que descansar nos braços
            do amor.

Nenhum descanso
            sem amor,
nenhum sono
            sem sonhos
de amor –
            quer esteja eu louco ou frio,
obcecado por anjos
            ou por máquinas,
o último desejo
            é o amor
- não pode ser amargo
            não pode ser negado
não pode ser contido
            quando negado:

o peso é demasiado

- deve dar-se
sem nada de volta
            assim como o pensamento
é dado
            na solidão
em toda a excelência
            do seu excesso.

Os corpos quentes
            brilham juntos
na escuridão,
            a mão se move
para o centro
            da carne,
a pele treme
            na felicidade
e a alma sobre
            feliz até o olho –

sim, sim
            é isso que
eu queria,
            eu sempre quis,
eu sempre quis
            voltar
ao corpo
            em que nasci.



Allen Ginsberg, em Uivo e outros poemas

9 de mar de 2017

jogo de cacos

Ludismo

Quebrar o brinquedo
é mais divertido.
As peças são outros jogos:
construiremos outro segredo.
Os cacos são outros reais
antes ocultos pela forma
e o jogo estraçalhado
se multiplica ao infinito
e é mais real que a integridade: mais lúcido.

Mundos frágeis adquiridos
no despedaçamento de um só.
E o saber do real múltiplo
e o sabor dos reais possíveis
e o livre jogo instituído
contra a limitação das coisas
contra a forma anterior do espelho.

E a vertigem das novas formas
multiplicando a consciência
e a consciência que se cria
em jogos múltiplos e lúcidos
até gerar-se totalmente:
no exercício do jogo
esgotando os níveis do ser.
Quebrar o brinquedo ainda
é mais brincar.

Orides Fontela